Sob o sol do Mediterrâneo

julho 29, 2008

Estou de volta à Valência, na costa leste da Espanha, onde exatamente há um ano, convidado pelo meu querido amigo Marcelo Branco, conheci a Campus

Party, maior festa mundial de tecnologia e cultura digital. Volto agora para o mesmo evento, desta vez totalmente envolvido com o assunto.

Para quem não sabe, ano passado voltei de Valencia e fui convidado pela Futura Networks para trabalhar na implementação da Campus Party no Brasil, o que aconteceu em fevereiro de 2008 na Bienal do Ibirapuera, em São Paulo.

Depois disso fui para a Colombia -vou escrever um post sobre Bogotá, que cidade maravilhosa!- também para fazer a Campus Party e, após uma rápida visita ao Brasil, cá estou em mais uma edição desta grande festa geek, carinhosamente apelidada no Brasil de “nerdstock”.

Mas quero falar de Valencia, uma cidade exótica, linda e acolhedora, onde o encontro da cultura ocidental e árabe é evidente. Poucas cidades da Espanha tem tamanha riqueza estética e arquitetônica.

Apesar de ser a terceira maior cidade da Espanha -atrás apenas de Madrid e Barcelona- Valencia tem um ar intimista, de “pueblo”, principalmente no centro histórico, formado por um emaranhado de ruelas dominadas por casarios renascentistas com balcões e fachadas coloridas.

Este patrimônio histórico de Valencia foi cuidadosamente preservado para que a cidade pudesse receber enormes investimentos que a transformaram, nos últimos anos, em uma dos roteiros mais visados pelos turistas na Europa. O número de visitantes por aqui cresce a uma impressionante média de 20% ao ano.

Hoje há atrações em Valência que se transformaram em referências mundiais de beleza e ousadia, como a Cidade das Artes e das Ciencias, um projeto de 400 milhões de dólares que oferece um incrível museu interativo, cinema de terceira dimensão e o maior aquário da Europa, com direito a tubarões gigantes a um palmo do nosso nariz. Para se ter uma idéia do sucesso deste empreendimento só no último ano 7 milhões de turistas foram visitá-lo.

Valencia é também curiosamente considerada uma das cidades mais liberais da Espanha e está sabendo aproveitar muito bem este status. Agora estamos em pleno verão e as ruas à noite fervem, com bares lotados e milhares de pessoas de todos os cantos do planeta despejando seus cobiçados euros no comércio valenciano.

A cidade tem sete quilometros de praia, está estrategicamente situada em frente à Ibiza e reintegrou-se ao mar com a reconstrução de uma gigantesca área de lazer na zona portuária onde há uma belíssima marina cercada de restaurantes para todos os gostos. Obviamente eu recomendo uma tradicional paella valenciana acompanhada por um Rioja e pela brisa noturna do Mediterrâneo.

O mais divertido em Valencia, no entanto, são os próprios valencianos, principalmente aqueles que vivem nos bairros mais afastados do centro, como o de Benemamet, onde estou hospedado. Ao final das calorentas tardes de verão familias inteiras -cachorros e gatos inclusive- esparramam-se pelas calçadas e ficam jogando conversa fora, observando com curiosidade os turistas -aliás, é curioso como na Europa os turistas fazem questão de parecerem turistas, sempre portando sandálias, bermudas largas e câmeras fotográficas.

Fico mais uns dias por aqui, terminando o trabalho e curtindo a cidade. Se conseguir fazer minha máquina fotográfica voltar a funcionar-pifou hoje- publico mais algumas fotos. Obviamente vou por bermudas largas mas prometo que as sandálias serão Havaianas legítimas.

Tubarão à vista..

Cidade das Artes e das Ciências

Paella Valenciana legítima indo da cozinha para a mesa..

Os tranquilos valencianos esparramados pelas calçadas..


Eu quero o meu iPhone!

julho 7, 2008

Os neo-zelandeses serão os primeiros felizardos do planeta a receber o novo iPhone 3G, lançado por Steve Jobs em San Francisco (USA), dia 9 de junho, na Worldwide Developers Conference, conferência mundial de desenvolvedores Apple.

As 00h01m da próxima sexta-feira, três lojas em Auckland City, Wellington e Christchurch, vão começar a vender o brinquedinho novo da Apple por U$ 199 (R$ 328), por um contrato de 2 anos com a Vodaphone, parceira da Apple na Nova Zelândia.

No Brasil a data de lançamento ainda não foi confirmada. Estamos na base do “coming soon..” Mas a Claro, operadora que até onde se sabe venderá o dispositivo com exclusividade, anunciou hoje que já existem 100 mil pessoas interessadas em comprá-lo.

Eu sou uma delas. E agora? Terei que migrar da Vivo para a Claro? Duvido..

Para quem ainda não viu, o comercial do iPhone 3G..


Solucionador de problemas!

julho 7, 2008

Vejam só esta pérola que encontrei navegando por aí.. Um gráfico que indica a forma como quase todo brasileiro imagina o que seja a tal “gestão”. Muito bom!


Blue Bus x blogueiros: variações sobre o mesmo tema

julho 7, 2008

Sigo acompanhando de perto a polêmica gerada por uma pequena nota publicada no Blue Bus na última sexta-feira, redigida pelo veterano jornalista Julio Hungria, que comanda de sua casa em Ipanema, no Rio de Janeiro, um dos sites de notícias com maior credibilidade no mercado de comunicação.

O texto em questão relata uma ação de marketing da Coca-Cola que, para lançar uma nova bebida chamada i9, enviou para 9 blogueiros de destaque na web brasileira um presentinho moderno: uma mini-geladeira que se conecta ao computador via cabo USB .

Até aí nada de novo, não tivesse o Blue Bus usado o termo “blogs de aluguel” para caraterizar os blogueiros que aceitaram o mimo da Coca Cola. A indignação foi geral. Rapidamente pipocaram respostas iradas nos blogs citados, houve repercussão nos portais online e até mesmo um manifesto batendo forte no Blue Bus. E a certeza que a provocação foi calculada e a reação mais ainda.

De fato acho que tanto o Blus Bus quanto os blogueiros estão alimentando um falso contexto que contrapõe a profissão de jornalista com a atividade de escrever em um blog. Cria e escreve um blog quem quiser, livremente, sem patrão, regras ou manuais. E, quase sempre, sem nenhum compromisso editorial.

Alguns descobrem formas de ganhar dinheiro, ou “monetizar” o seu blog, para usar a palavra da moda. Particularmente não vejo nenhum problema nisso. Quem paga sabe bem o que está fazendo e qual audiência está buscando. E os blogueiros competentes sabem até onde podem comprometer sua credibilidade. Apesar que neste caso do i9 alguns exageraram nos elogios, como no texto publicado pelo blog Radar 55.

Esse falso confronto jornalistas x blogueiros é uma grande bobagem. Consolidei esta opinião após interagir com o mesmo circo em um debate promovido na Campus Party Brasil, onde alguns respeitados jornalistas foram convidados para conversar sobre o futuro do jornalismo dentro da nova economia digital.

Um grupo de blogueiros sentiu-se ofendido por não estar na mesa principal atuando no debate e praticamente impôs sua participação. O resultado foi péssimo, imediatamente desapareceu a inteligência e o encontro tranformou-se em uma guerra de egos entre blogueiros e jornalistas.

Com petardos irônicos mesquinhos e um contraditório estéril os colegas da imprensa e os blogueiros presentes levaram o conteúdo das opiniões para um patamar quase lamentável. E o público perdeu a oportunidade de acompanhar um bom debate por conta desse confronto inútil e de teor exibicionista.

Agora vejo este falso conflito voltar à tona a partir da nota do Julio Hungria, que falou uma verdade usando um termo duro, que mexeu nos brios da comunidade blogueira. Os blogs monetizados estão sim à disposição do mercado e das marcas. E negociam suas opiniões como melhor lhes convier.

Realmente os blogueiros são mais livres e independentes que os jornalistas. E, acredito, alguns devem ganhar mais dinheiro – o que não é difícil neste caso, considerando-se o salário médio dos jornalistas. Aliás, gostaria de saber quanto ganha um blogueiro bem sucedido no Brasil.

O fato é que os blogueiros aceitaram o presente-jabá da Coca-Cola para falarem do novo isotônico lançado pela marca. Da mesma forma também é fato que alguns jornalistas vendem seus textos e opiniões por um punhado de moedas ou até mesmo por simpáticas geladeirinhas.

A única diferença é que os jornalistas, com essa atitude, estão descumprindo regulamentos profissionais e  afastando-se de princípios éticos que regem a profissão. Blogueiros não, podem escrever o que gostam, quando querem, aceitando os mimos que desejarem. E ninguém tem nada a ver com isso. Este me parece o resumo da ópera. O resto são variações sobre o mesmo tema.

A geladeirinha fashion presenteada aos blogueiros: jabá da discórdia.. Eu achei bem simpática..

Já o filme publicitário apresentando a nova bebida da Coca Cola é de qualidade discutível..


TIME LINE

julho 6, 2008

Fiquei muito tempo sem escrever neste blog. Foram meses de abandono, de fuga quase premeditada. Sempre havia uma razão sem fundamento para me afagar no silêncio. Na minha linha do tempo eu estava vendo e ouvindo muito mais que falando ou escrevendo. Foi um período de estio, ou de plantio, sei lá.

Agora me deu uma enorme vontade de reabrir as janelas e portas dessa casa e de deixar o mundo entrar e sair por aqui do jeito que quiser. Me sinto confortavelmente sentado em uma velha poltrona pronto para me divertir. Chega de silêncio!

O Contador de histórias, Bogotá/2008 – Por Juan Negrillo


Free Huges!

agosto 6, 2007

Nada pode ser melhor que conhecer pessoas e fazer novos amigos! É uma alegria acima de qualquer expectativa. Pois foi o que mais aconteceu nessa minha viagem à Valência. E ainda por cima tive a sorte de reencontrar velhos e queridos amigos!!

Olga, Robson, Mariana, Marcelo, Youssef, Sérgio, Ricardo, Luli, Gerbase, Mila, Vanessa, Nathalia, André, José, Rafa, Paco, Pablo, Belinda, Ana, Tosatti, Cora, Lia, Eva, Claudio, Guilherme, Caroline, Deborah, Juliana! Vocês são muito legais, muito especiais!

E isso é ótimo para o coração de um simples brasileiro! Um abraço e um beijo gigante para todos! Mi casa, su casa! Abaixo um vídeo do tamanho do abraço que queria dar em todos!


Entrevista com Marcelo Branco, diretor do Campus Party Brasil 2008

julho 30, 2007